logo cremest
GRO - Gerenciamento de Riscos Ocupacionais

GRO – Gerenciamento de Riscos Ocupacionais

Trata-se de um conjunto de medidas e práticas adotadas por empresas para identificar, avaliar, controlar e monitorar os riscos relacionados à segurança, saúde e bem-estar dos trabalhadores no ambiente de trabalho.

O Gerenciamento de Riscos Ocupacionais envolve a análise de todas as atividades laborais, identificando os possíveis perigos e vulnerabilidades que possam afetar a saúde e a integridade física dos colaboradores. Com base nessa análise, são implementadas medidas preventivas e corretivas para mitigar ou eliminar os riscos identificados.

O objetivo do GRO é garantir um ambiente de trabalho seguro e saudável, reduzindo a ocorrência de acidentes e doenças ocupacionais, promovendo o bem-estar dos trabalhadores e contribuindo para a produtividade e o sucesso da empresa.

Quem é o responsável pelo GRO?

O responsável pelo GRO pode variar dependendo da estrutura organizacional de uma empresa ou instituição. Geralmente, é uma equipe multidisciplinar que inclui profissionais de segurança do trabalho, engenheiros de segurança, médicos do trabalho, técnicos em segurança, entre outros especialistas.

Em algumas organizações, há um profissional específico designado como responsável pelo GRO, muitas vezes um técnico ou engenheiro de segurança do trabalho. Este indivíduo é encarregado de coordenar as atividades relacionadas à identificação, avaliação e controle de riscos ocupacionais, além de garantir o cumprimento das normas de segurança e saúde no trabalho.

Na maioria das vezes, as empresas contratam terceiros para elaborar o laudo do Programa de Gerenciamento de Risco (PGR), o qual é encarregado de coordenar a identificação e avaliação de riscos ocupacionais. A empresa, por sua vez, fica responsável pelo gerenciamento desses riscos ocupacionais, o que é o GRO.

Ou seja, o Programa de Gerenciamento de Risco (PGR) é a materialização do processo de Gerenciamento de Riscos Ocupacionais (por meio de documentos físicos ou por sistema eletrônico), visando à melhoria contínua das condições da exposição dos trabalhadores por meio de ações multidisciplinares e sistematizadas.

O PGR deve ser composto, no mínimo, por dois documentos:

  • Inventário de Riscos Ocupacionais, que compreende as etapas de Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos, de modo a estabelecer a necessidade de medidas de prevenção;
  • Plano de Ação, onde se estabelecem as medidas de prevenção a serem introduzidas, aprimoradas ou mantidas, de modo a eliminar, reduzir ou controlar os riscos ocupacionais.

Assim, na prática, as empresas geralmente contratam uma empresa especializada em segurança do trabalho para elaborar esses documentos, enquanto os profissionais internos, como engenheiros ou técnicos de segurança do trabalho, ficam responsáveis por supervisionar e implementar as medidas definidas no plano de ação. O objetivo é eliminar, reduzir ou controlar os riscos ocupacionais.

Qual é o benefício para empresa em gerenciar o risco ocupacional?

Gerenciar o risco ocupacional traz uma série de benefícios significativos para as empresas, incluindo:

  1. Redução de Acidentes e Lesões: Ao identificar e controlar os riscos ocupacionais, as empresas podem reduzir a ocorrência de acidentes de trabalho e lesões entre os funcionários. Isso não só melhora a segurança no local de trabalho, mas também reduz custos associados a compensações por acidentes de trabalho e licenças médicas.
  2. Melhoria da Produtividade: Um ambiente de trabalho seguro e saudável tende a promover maior produtividade entre os funcionários. Quando os trabalhadores se sentem seguros e bem cuidados, estão mais propensos a se concentrar em suas tarefas e desempenhá-las de forma eficiente.
  3. Redução de Custos: Gerenciar os riscos ocupacionais pode ajudar a evitar despesas relacionadas a acidentes de trabalho, licenças médicas, indenizações e multas por não conformidade com regulamentos de segurança. A longo prazo, isso pode resultar em economias significativas para a empresa.
  4. Cumprimento de Regulamentações: Muitas regiões possuem regulamentos e leis que exigem que as empresas garantam a segurança e a saúde de seus funcionários no local de trabalho. Ao gerenciar os riscos ocupacionais de acordo com essas regulamentações, as empresas evitam penalidades legais e mantêm uma boa reputação junto aos órgãos reguladores.
  5. Melhoria da Reputação da Empresa: Empresas que demonstram um compromisso com a segurança e o bem-estar de seus funcionários tendem a ter uma melhor reputação tanto entre os trabalhadores quanto entre os clientes e investidores. Isso pode resultar em maior lealdade dos funcionários, maior satisfação do cliente e uma posição mais favorável no mercado.

Ao gerenciar os riscos ocupacionais a empresa pode transformar um ambiente insalubre em salubre?

Sim, o gerenciamento adequado dos riscos ocupacionais pode transformar um ambiente de trabalho que antes era insalubre em um ambiente salubre. Ao identificar, avaliar e controlar os riscos ocupacionais presentes no local de trabalho, as empresas podem implementar medidas preventivas e corretivas para garantir a saúde e a segurança dos funcionários.

Essas medidas podem incluir:

  1. Controle de Exposição: Reduzir ou eliminar a exposição dos trabalhadores a substâncias químicas, agentes biológicos, ruído excessivo, vibrações, radiações, entre outros fatores de risco.
  2. Melhoria das Condições de Trabalho: Implementar mudanças no ambiente físico, como ventilação adequada, iluminação adequada, ergonomia adequada, para promover um ambiente mais saudável e seguro.
  3. Treinamento e Conscientização: Fornecer treinamento adequado aos funcionários sobre os riscos ocupacionais presentes em seu trabalho e as medidas de segurança necessárias para prevenir lesões e doenças.
  4. Uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI): Fornecer e garantir o uso correto de EPI adequado para proteger os trabalhadores contra riscos específicos no ambiente de trabalho.
  5. Monitoramento e Avaliação: Realizar monitoramento regular das condições de trabalho e avaliações de risco para garantir que as medidas de controle estejam sendo eficazes e para identificar novos riscos que possam surgir.

Ao implementar essas e outras medidas de gerenciamento de riscos ocupacionais, as empresas podem melhorar significativamente as condições de trabalho e transformar um ambiente que antes era insalubre em um ambiente salubre, promovendo assim a saúde, o bem-estar e a segurança dos funcionários.

Em resumo, o gerenciamento do risco ocupacional não é apenas uma obrigação ética e legal, mas também uma prática que traz benefícios tangíveis para as empresas em termos de segurança, produtividade, custos e reputação.

Dr. Nadion Rogério Indalêncio, diretor da área técnica do CREMEST, observa que “ao considerar a importância do gerenciamento eficaz dos riscos ocupacionais, é fundamental contar com o suporte de especialistas em medicina e segurança do trabalho. Empresas como a CREMEST oferecem expertise e recursos necessários para auxiliar na elaboração de programas de gerenciamento de risco robustos. Além disso, através de avaliações precisas, treinamentos especializados e consultoria contínua, nós podemos ajudar as organizações a criar ambientes de trabalho mais seguros, saudáveis e produtivos. Investir na parceria com uma empresa especializada é um passo essencial rumo à excelência em saúde e segurança ocupacional”, finaliza ele.